O MOVIMENTO CONTRA O AUMENTO DA PASSAGEM E O PRESIDENTE DO PSOL DE SANTO ANDRÉ SÃO AGREDIDOS EM REUNIÃO DENTRO DO CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO ABCDMRR

 

No último dia 11 de julho de 2013, após passeata do paço municipal de sbcampo até o consórcio intermunicipal sediado em Santo André, ficou decidido que uma comissão do movimento retornaria no dia 15/07, às 10 horas para participar de uma reunião com os prefeitos da região.

Pela manha do dia 15/07, nos reunimos em frente ao consórcio e fomos informados que os prefeitos receberiam os representantes a partir  do esgotamento da Pauta; por volta das 12 horas.

Desde o inicio, havia discordância sobre o número de membros, pois representantes do consórcio afirmavam que só poderiam atender 18 membros e nos falamos da necessidade de atender a represtação presente.

Por volta das 12 horas nos dirigimos a portaria do consórcio e cerca de 18 militantes  adentraram ao  prédio,  os demais foram  momentaneamente impedidos. Quando os prefeitos solicitaram que poderíamos subir, forçamos a barra e todos entraram, uma vez que o argumento usado era a falta de espaço físico. Esse argumento caiu por terra, pois nesse momento saíram da sala da reunião com os prefeitos cerca de 35 jornalistas e trabalhadores da imprensa.

Subimos por volta das 13 horas e fomos atendidos pelos prefeitos. Num primeiro momento foi apresentada a pauta de reivindicação com os seguintes pontos acordados pelas lideranças do movimento.

1-Integração intermodal gratuita (ligação entre os diferentes meios de transporte como ônibus, trólebus, trens, e bicicletas) entre as cidades do grande ABC e com a cidade de São Paulo;

2-Revogação total e imediata do aumento das tarifas no grande ABC;

3-Transporte público 24 horas por dia;

4-Em defesa do Passe Livre para toda população (rumo à tarifa zero);

5-Transparência: abertura dos contratos e planilhas com prestação de contas sobre o transporte público;

6-Transporte público, gratuito e de qualidade;

7-Audiência pública nas sete cidades do grande ABCDMRR para discussão da pauta proposta pelo comitê dos Trabalhadores e Juventude do ABCD.

Após a apresentação da pauta, membros do movimento usaram a palavra, reafirmando a mesma, repudiando a violência contra o movimento organizado, como aconteceu no dia 1° de julho de 2013 em sbcampo e outros.  Ato contínuo, os prefeitos usaram a palavra.

Falou o prefeito de Mauá Donizete Braga, afirmando que está aberta a negociação na cidade e que tem mantido o diálogo com o movimento organizado. O prefeito de Diadema Lauro Michael, disse também que vem atendendo o movimento e foi questionado sobre o uso das catracas nos terminais, se colocando favorável em retirá-la e fez considerações sobre o prefeito do PT. O prefeito Grana de Santo André falou de sua disposição em continuar dialogando com o movimento organizado, falou das dificuldades que vem encontrando e manteve uma reunião agenda para o dia 16 de julho de 2013 na prefeitura.

O presidente do consórcio Luiz Marinho, fez um diálogo na defensiva, acusando os movimentos de destruírem o patrimônio público e considerou que esse atendimento já era uma audiência pública, encerrando abruptamente a reunião.

Os prefeitos saíram e por vezes alguns munícipes solicitavam esclarecimentos sobre o andamento da pauta nas respectivas cidades. O conflito começou quando o prefeito Luiz Marinho do PT estendeu a mão para cumprimentar um dos militantes, e o mesmo se recusou  em cumprimentá-lo. O prefeito ficou irado. Nesse momento falei para o prefeito que ele deveria marcar audiência em sbcampo para esclarecer e receber várias reivindicações. Ele disse que poderia receber. Falei do descaso com a educação e ele ficou mais irritado. Outro militante comunicou a ele que o movimento estava sendo rearticulado por vários grupos de esquerda e o prefeito disse que tinha informação que a quebradeira do paço fora feito pelos grupos de esquerda. Ele foi se retirando e um militante disse a ele que uma companheira estava lhe perguntando algo, ele não se importou e outra companheira solicitou esclarecimento, momento em que o prefeito dá um sopapo no braço de um dos militantes e começou enorme desentendimento, com os seguranças de Marinho dando cotoveladas nos presentes. Quando alguns companheiros foram tentar acalmar os ânimos, um dos seguranças do prefeito covardemente deu um soco no rosto do Companheiro Marcelo Reina, vindo a sangrar de imediato. Essa covardia contou com o aparato da guarda municipal de Santo André que ficou ameaçando os presentes  e quando movimento começou a se retirar por completo, um guarda tomou  o celular do companheiros Chicão  que estava fotografando.  Um outro  companheiro recobrou o celular e devolveu ao dono. Após entrevista do companheiro Marcelo Reina no saguão do prédio, nos retiramos e fizemos uma rápida reunião,  aprovando a imediata ida ao 1° distrito policial  para    registrar boletim  de ocorrência. Na saída do consórcio, assistimos uma cena repugnante, quando um guarda municipal inquiriu um militante negro,  Carlos Wellington numa flagrante atitude preconceituosa e discriminatória, indagando – o sobre o destino do celular. Este reagiu dizendo que essa atitude era uma atitude racista e que o celular estava com o seu dono.

Fomos ao 1° distrito em Santo André, levamos um chá de banco por duas horas e o atendimento é digno de revolta, pois “fomos tratados como criminosos”. Ao final, o companheiro Marcelo Reina foi fazer exame de corpo de delito. O movimento vem sendo agredido nas ruas, nas periferias, e dentro das instituições públicas, num total desrespeito aos contribuintes e movimentos organizados.

Foi mais uma cena lamentável dos detentores do poder numa tentativa de calar e amordaçar o movimento organizado.

Enquanto militante sindical e do Psol repudiamos essa abominável agressão contra o movimento em luta e ao Presidente do PSOL de Santo André Marcelo Reina. Fazemos um chamado às entidades sindicais, populares, estudantis e Partidária a repudiar mais essa agressão aos representes do movimento social, encaminhando notas de repúdio ao consórcio, aos prefeitos, a comissão de direitos humanos, exigindo apuração dos fatos e  imediata punição aos agressores.

A luta vai continuar até a vitória da classe trabalhadora!

Aldo Santos – ex-vereador, coordenador da apeoespsbc, Presidente da Associação dos Professores de Filosofia e Filósofos do Estado de São Paulo e APROFFIB, membro do comitê regional Unificado e Militante do Psol.

Anúncios

Sobre professoriristeu

Professor Iristeu é pedagogo e especialista em educação.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s